Arquivos Mensais: abril \23\UTC 2015

Aliança entre Castas de Sábios, Artesãos e Comerciantes

Cidadania & Cultura

Sistema indiano de castas

David Priestland, em seu ensaio Uma Nova História do Poder: Comerciante, Guerreiro, Sábio (São Paulo; Companhia das Letras; 2014), cita Steve Jobs, nascido em 1955 e morto de câncer em 2011, como a personificação da aliança entre o comerciante e o sábio-criativo. Ele tinha valores que buscavam reconciliar a geração neohippie dos anos 60s com o comercianteneoliberal dos anos 80s.

Os mercados, longe de contradizer os valores libertários dos anos 60s, personificavam esses valores românticos de sábio-homem santo, que valorizava a autorrealização e a criatividade. Os produtos da Apple se tornaram símbolos do capitalismo globalizado de hoje.

O próprio Jobs, tal como muito outros neohippies, em certa época, usou sua empresa para fazer proselitismo da sua visão do mundo, moldada pela contracultura dos anos 60s: exortava seus clientes a “pensar diferente”. Propagandeava: “saudamos os loucos, os desajustados, os rebeldes, os que perturbam a…

Ver o post original 1.031 mais palavras

Anúncios

Mészáros: A disputa pelo Estado

Blog da Boitempo

15 04 20 Mészáros O globoEntrevista especial com István Mészáros.

No contexto do lançamento de seu novo livro, A montanha que devemos conquistar: reflexões acerca do Estado, o filósofo marxista húngaro István Mészáros concedeu uma longa entrevista a Leonardo Cazes para o jornal O Globo, em que discutia alguns aspectos centrais da obra, como sua concepção de Estado, de democracia e da crise estrutural do capital, à luz de alguns dos protestos e mobilizações políticas que vêm se alastrando mundo afora. O resultado foi publicado parcialmente em fevereiro deste ano na matéria “Filósofo István Mészáros analisa ascenção de novos partidos na Europa como Syriza e Podemos. A material completo, contudo, supera em mais de três vezes o espaço disponibilizado pelo jornal. A pedido do autor, o Blog da Boitempo publica agora a versão integral da entrevista, enviada a nós diretamente pelo jornalista e revisada pelo tradutor Nélio Schneider. Também a pedido de Mészáros, a entrevista deve se…

Ver o post original 4.358 mais palavras

Como reproduzimos a cultura do capital

Leonardo Boff

No artigo anterior – A cultura capitalista é anti-vida e anti-felicidade – tentamos, teoricamente, mostrar que a força de sua perpetuidade e reprodução reside na exacerbação de um dado de nossa natureza que consiste no afã de auto-afirmar-se, de fortificar o próprio eu para não desaparecer ou ser engolido pelos outros. Mas ela recalca e até nega o outro dado, igualmente, natural, o da integração do eu e do individuo num todo maior, no nós, na espécie, da qual é um representante.

Mas é insuficiente determo-nos apenas nesse tipo de reflexão. Ao lado daquele dado originário, vigora outra força que garante a perpetuação da cultura capitalista. É o fato de nós, a maioria da sociedade, internalizarmos os “valores” e o propósito básico do capitalismo que é a expansão constante da lucratividade que permite um consumo ilimitado de bens materiais. Quem não tem, quer ter, quem tem, quer ter mais e…

Ver o post original 768 mais palavras

Brasil: o terceiro país que mais lixo gera

Leonardo Boff

WASHINGTON NOVAES volta e meia se faz presente neste espaço pois é um dos jornalistas mais bem informados sobre questões ecológicas daqui e de fora. Neste artigo do dia 17 de abril em O Estado de São Paulo, sob o título Em boa hora o Papa vai entrar em campo, refrindo-se à sua próxima encíclica sobre ecologia aborda com numerosos dados sobre o destino do lixo e dos materiais recicláveis. Hoje o sistema atual de produção o que mais produz são dejetos, lixo e rejeitos  criando um problema grave para a qualidde de vida no planeta, especialmente os resíduos nucleares de altíssima perigosidade. Lboff

********************

É uma notícia auspiciosa (ESTADO, 5/4, caderno Aliás): o Papa Francisco pretende centrar no tema “meio ambiente e pobreza” sua primeira encíclica, a ser conhecida nas próximas semanas. O documento incluirá também em destaque as mudanças climáticas, junto com considerações sobre a desigualdade…

Ver o post original 910 mais palavras

Surfista prateado

Blog da Boitempo

15 04 17 _ Luiz Bernardo Pericás _ Surfista prateado frentePor Luiz Bernardo Pericás.

Em algum lugar da galáxia, entre estrelas e meteoros, o Surfista Prateado viaja sobre sua prancha, solitário. O espírito nobre e o senso de justiça nunca abandonam aquele que vaga no espaço sideral, sem lar nem destino…

Criado por Jack Kirby (e desenvolvido em seus aspectos principais por Stan Lee), o personagem apareceu pela primeira vez em 1966 na revista dos Fantastic Four número 48. Ganharia uma publicação própria da Marvel Comics em 1968, ano de grandes convulsões políticas e sociais em todo o mundo.

O jovem e irrequieto astrônomo Norrin Radd vivia em Zenn-La, no sistema estelar Deneb, uma civilização avançada, com todos os traços de uma sociedade utópica, que havia praticamente atingindo a perfeição, onde reinavam a paz e a harmonia entre os seus habitantes. As guerras, os crimes e as doenças eram parte de um passado longínquo… Mas esta vida idílica estava…

Ver o post original 1.080 mais palavras