Arquivos Mensais: junho \21\UTC 2016

Qual é o ajuste fiscal possível? – 17/06/2016 – Ilustríssima – Folha de S.Paulo

http://m.folha.uol.com.br/ilustrissima/2016/06/1782789-qual-e-o-ajuste-fiscal-possivel.shtml

Anúncios

Número de deslocados em todo o mundo passa de 65 milhões, diz ONU | Mundo | G1

http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/06/numero-de-deslocados-em-todo-o-mundo-passa-de-65-milhoes-diz-onu.html?utm_source=push&utm_medium=app&utm_campaign=pushg1

O perfil dos grupos que fomentam o golpe no Brasil

http://jornalggn.com.br/noticia/o-perfil-dos-grupos-que-fomentam-o-golpe-no-brasil

Por que os guarani-kaiowá estão em confronto com fazendeiros no Mato Grosso do Sul – Nexo Jornal

https://www.nexojornal.com.br/expresso/2016/06/17/Por-que-os-guarani-kaiow%C3%A1-est%C3%A3o-em-confronto-com-fazendeiros-no-Mato-Grosso-do-Sul

Os 12 produtos mais perigosos criados pela Monsanto

Luíz Müller Blog

Reblogado do Diário Liberdade 

Os 12 produtos mais perigosos criados pela Monsanto

A historia da Monsanto é reflexo de um quadro persistente de substâncias químicas tóxicas, demandas e manipulação da ciência..

1. Sacarina. John Francisco Queeny fundou a “Monsanto Chemical Works”, com o objetivo de produzir sacarina para Coca-Cola. Estudos realizados durante a década de 1970 mostraram que este químico produz câncer em ratos e outros mamíferos de testes. Porém, depois descobriu-se que causa o mesmo efeito em humanos, Monsanto subornou médicos e instituições para seguir comercializando-a.
2. PCBs. Durante a década de 1920, a Monsanto começou a expandir sua produção química mediante bifenilos policlorados (PCB), para produzir fluídos refrigeradores de transformadores elétricos e motores. Cinquenta anos depois, a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA) publicou um informe citando os PCBs como causa do câncer em animais, e com provas adicionais indicou que estes produzem câncer em seres humanos. Quase 30 anos depois dos…

Ver o post original 2.205 mais palavras

Luiz Marques: “A crise brasileira é a espuma superficial de um problema estrutural ignorado pela esquerda”

Blog da Boitempo

luiz marques

Entrevista especial com Luiz Marques.

A esquerda erra ao separar a agenda ambiental da agenda social, como se fosse possível manter o combate à desigualdade sem levar em consideração as consequências suicidarias de uma política desenvolvimentista que concebe o planeta erroneamente como estoque infinito de recursos. Esta é a avaliação do historiador Luiz Marques que avalia neste entrevista a atual conjuntura política e econômica do Brasil da perspectiva ambiental. “A crise brasileira é a espuma superficial de um problema estrutural e profundo, para o qual os contingentes majoritários da esquerda não estão dando a devida atenção,” afirma o autor de Capitalismo e colapso ambiental (Ed Unicamp, 2015), “conservar o que resta da biosfera tornou-se essencial para manter qualquer sociedade organizada”.

Esta conversa, conduzida por Gabriel Zacarias (pós-doutorando USP/EHESS-Paris) e Fernanda Marinho (pós-doutoranda Unifesp/Musée du Louvre), dá sequência à série de entrevistas do Movimento Democrático 18 de Março (MD18) com grandes intelectuais…

Ver o post original 2.154 mais palavras

O carro do futuro IV: os atuais modelos de carros elétricos e o potencial de inserção no Brasil

Blog Infopetro

Por Michelle Hallack e Miguel Vazquez

michelle062016Mesmo com a queda do preço do petróleo, a demanda mundial por veículo elétrico vem aumentando. Embora a variação do preço do petróleo tenha afetado negativamente o mercado de carro elétrico dos Estados Unidos e do Japão, que em 2015 teve uma queda das vendas, o crescimento das vendas em outros países compensou mais que proporcionalmente esta queda.

Figura 1: Venda de Carros Elétricos no Mundo por Mês (2014-2016)

michelle0620161a

Fonte: EV volumes.com

Os principais motores desse crescimento foram a China e os países Europeus (em especial Holanda, Noruega, Reino Unido, França e Alemanha), que obtiveram, em 2015, crescimentos relevantes nas vendas de carros elétricos (220% e 99%, respectivamente) [1]. O crescimento desses mercados pode ser explicado por políticas ativas de incentivos tanto do ponto de vista de estimulo da demanda como de financiamentos ao P&D e de investimento em infraestrutura. Contudo, a participação do…

Ver o post original 2.799 mais palavras

Caldo de Cultura – 400 anos sem Shakespeare — UFPR TV

400 anos sem Shakespeare! Confira tudo sobre um dos nomes da dramaturgia nacional.

via Caldo de Cultura – 400 anos sem Shakespeare — UFPR TV

Castas no Brasil

Castas versus Párias – http://wp.me/pMzez-bap

O Dia – Reforma da Previdência

O massacre da Previdência, segundo O Dia – http://wp.me/px2vq-7vA